segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Álbuns para ouvir antes de morrer



Ando num clima de escrever sobre música, e curiosamente achei um vídeo lindo, no qual Amanda Palmer e Neil Gaiman vasculhavam uma loja de cds em busca de artigos que gostassem.

Esse vídeo me inspirou para escrever aqui sobre alguns dos álbuns que eu considero indispensáveis na vida, e que todos deveriam ouvir antes de morrer. A lista está em ordem aleatória, eu fui colocando à medida que eu lembrava.

Ah, e eu não coloquei nenhum álbum dos Beatles porque achei muito difícil escolher um só.

1. Pet Sounds, Beach Boys



Meu amor por esse álbum começa na capa. Sou apaixonada por cabritos, e a combinação dos Beach Boys e cabrinhas fez com que eu amasse esse álbum de primeira.

Lançado em 1966, o álbum traz alguns dos maiores sucessos da banda, inclusive "Wouldn't It Be Nice" e a melhor música romântica dessa vida, "God Only Knows".

O que eu mais gosto nos Beach Boys é a questão vocal. Os backing vocals são sensacionais e todas as músicas me trazem uma sensação de paz absurda.

O álbum é um clássico e é menos "surf music" do que outros trabalhos da banda. É lindo, então façam um favor aos seus ouvidos e escutem esse álbum.

Músicas de destaque: "Caroline, No" e "God Only Knows"


2. Band On The Run, Wings



Não sei se conheci Beatles ou Wings primeiro, mas as duas bandas são muito especiais para mim, e eu me lembro de ouvir "Band On The Run" (a música) bem novinha.

Esse álbum foi lançado em 1973, e é o terceiro da banda, mas um dos mais famosos. Quase todo mundo conhece "Jet" e a faixa título do álbum, porém as outras músicas também são extremamente maravilhosas.

Como quase tudo que Paul McCartney faz, é uma das melhores coisas que eu já ouvi na vida, e você fica com vontade de ouvir de novo quando o álbum acaba.

Existe um documentário sobre a gravação desse álbum, chamado "Paul McCartney & Wings: Band On The Run", muito interessante, que vale a pena conferir (passa sempre no canal BIS).

Músicas de destaque: "Let Me Roll It", "Bluebird"

3. Nothing Has Changed, David Bowie



Todo mundo conhece a carinha do Bowie pintada com aquele raio, da capa do Alladin Sane, mas pouca gente ouviu esse álbum. Eu até pensei em recomendá-lo aqui, mas lembrei do The Rise and Fall of Ziggy Stardust and the Spiders from Mars e as músicas maravilhosas que ele tem...

Acabei preferindo indicar a compilação mais recente do Bowie, que tem duas novas faixas e que cumpre o prometido: compila todo o trabalho dele sem deixar de fora as mais importantes e sem esquecer das menos conhecidas.

É uma ótima opção para conhecer melhor a música do David Bowie, ou para dar um passeio rápido pela trajetória musical dele. Curiosamente, é o álbum mais recente da lista, lançado em 2014.

Músicas de destaque: "Where Are We Now?", "Oh! You Pretty Things"

4. In The Aeroplane Over The Sea, Neutral Milk Hotel



COMO EU FAÇO PARA VOCÊS ENTENDEREM COMO O NEUTRAL MILK HOTEL É IMPORTANTE???

Eu amo a banda, acho sensacional, e super subestimada. As letras são incríveis e as músicas são ótimas e eles tinham que lançar álbuns novos porque esse álbum é MARAVILHOSO.

Foi lançado em 1998, e é muito difícil de achar para comprar aqui no Brasil.

A banda é formada por Jeff Mangum nos vocais, Jeremy Barnes na bateria e no piano, Scott Spillane nos instrumentos de sopro e guitarra e Julian Koster no baixo, banjo e teclado, toca um folk rock gostoso de ouvir, e serviu de inspiração para uma gama de bandas indie atuais.

Músicas de destaque: "King Of Carrot Flowers Pt. 1", "Oh Comely"

5. Whatever And Ever Amen, Ben Folds Five



Um dia, vou abraçar Ben Folds e ele vai ter muita dificuldade em me fazer soltar. Meu sonho é ir a um show desse cara ou vê-lo tocando no meu casamento.

Para quem não conhece, Ben Folds Five foi um trio que o Ben formou em 1994, com Robert Sledge no baixo e Darren Jesse tocando bateria, e o próprio Ben cantando e tocando piano.

"Whatever..." foi lançado em 1997, e foi responsável pelo sucesso da banda, que veio com a música mais triste da face da Terra "Brick". Ben é um pianista de primeira e é fácil se relacionar com as letras das músicas. O trio passa de músicas extremamente tristes para absurdamente felizes durante o álbum, o que dá um equilíbrio muito bom.

Músicas de destaque: "Song For The Dumped", "Cigarette"

6. Tapestry, Carole King



Carole King é uma das mulheres mais importantes da música sim, e ninguém me convence do contrário. Quando descobri esse álbum, ele foi uma libertação. O poder feminino dele é absurdo.

Ele foi lançado em 1971, e tem os maiores sucessos da artista. Carole escreveu a maior parte das músicas durante um divórcio doloroso, e isso as deixa mais pessoais e emocionantes.

Músicas de destaque: "It's Too Late", "I Feel The Earth Move"

7. Clube da Esquina



Um dos álbums mais importantes da música brasileira, apenas isso. Eu poderia falar muito sobre esse álbum, sobre esse grupo de artistas incríveis, mas prefiro que vocês procurem por conta própria e se descubram como amantes da música brasileira.





Conheci esse álbum por culpa do meu pai, e ele acabou se tornando uma peça-chave na minha educação musical.


Existe o Clube da Esquina 2, que também é incrível, ouçam também.

Músicas de destaque: "Trem Azul", "Um Girassol da Cor do Seu Cabelo"

8. Rumours, Fleetwood Mac



Esse é meu álbum favorito de todos.

O Fleetwood Mac é conhecido pelos casamentos e divórcios dentro da banda, e esse álbum foi escrito num período em que ninguém da banda se falava se não fosse por motivos profissionais. Felizmente, esses estresses fizeram com que o álbum ficasse incrível e muito muito pessoal.

Sempre digo que Fleetwood Mac traduz melhor meus sentimentos do que eu mesma, e esse álbum é a melhor prova disso. Não dá para ouvir "Songbird" sem chorar!

O álbum é de 1977 e seu sucessor, "Tusk", também merece ser ouvido.

Músicas de destaque: "The Chain", "Dreams"

9. Dookie, Green Day



Boa parte da minha pré-adolescência foi gasta desejando um namorado que parecesse Billie Joe Armstrong. Quando eu tive minha fase emo, eu chorava todos os dias ouvindo "Jesus Of Suburbia".

Aí eu descobri o "Dookie". A história de gravação dele é ótima. Os membros da banda às vezes apareciam tão chapados que nem conseguiam gravar nada. Quando saiu, em 1994, o grunge estava em seu auge, e a banda trouxe algo diferente.

Músicas de destaque: "Coming Clean", "She"

10. The Jazz Age, The Bryan Ferry Orchestra



Amo Bryan Ferry, amo Roxy Music, mas amo ainda mais esse projeto.

Bryan decidiu montar uma orquestra para regravar seus sucessos (tanto da carreira solo quanto do Roxy Music, mas com arranjos inspirados nos anos 1920. A versão de "Love Is The Drug" foi até parar na trilha sonora de "O Grande Gatsby", e eles tocaram "Crazy In Love" com a Emeli Sandé.

Músicas de destaque: "Virginia Plain", "Slave To Love"

11. Who Killed Amanda Palmer, Amanda Palmer



O que seria dessa lista se não tivesse essa mulher?

Ela tem uma capacidade enorme de arrancar meu coração e depois colocar no lugar, com as palavras dela. Eu não seria quem eu sou hoje se nunca tivesse conhecido a música da Amanda.

Esse álbum é uma coleção de maravilhosidades. Tem participação da St Vincent (na época em que ela ainda se chamava de Annie Clark) e do meu amorzinho Ben Folds.

Músicas de destaque: "What's The Use Of Wondrin", "Runs In The Family"

12. Temple Of The Dog, Temple Of The Dog



Essa banda é meu side project preferido. Chris Cornell decidiu montar um grupo, em 1990, em homenagem a seu amigo Andrew Wood, que falecera no mesmo ano. Andrew era vocalista de duas bandas da cena grunge de Seattle:  Malfunkshun e Mother Love Bone.

Chris chamou Stone Gossard e Jeff Ament, do Mother Love Bone, para tocar guitarra e baixo, e Eddie Vedder, Mike McCready e Matt Cameron para cantar, tocar guitarra e bateria.

Esse super grupo maravilhoso lançou um álbum em 1991 que levava o nome da banda, e que eu considero muito importante por ser uma síntese de tudo o que acontecia na cena grunge.

Se nada disso te convenceu, pensa nas vozes de Chris Cornell e Eddie Vedder JUNTAS. De nada.

Músicas de destaque: "Hunger Strike", "Your Savior"

13. Acústico, Cássia Eller



Eu ouvi esse álbum pela primeira vez quando era uma criança minúscula, e foi o primeiro álbum que eu lembro que mexeu comigo.

Cássia é uma das mulheres da música que eu mais admiro, e ela tem uma importância muito grande na minha vida, então eu não poderia deixá-la de fora.

O Acústico é um ótimo álbum porque ela faz um monte de covers, canta músicas próprias, tudo com arranjos lindos. O que ela faz com "Por Enquanto" é fora do normal.

Músicas de destaque: "Por Enquanto", "Segundo Sol"

14. Sounds Of Silence, Simon & Garfunkel



Meu amor por Simon & Garfunkel começou com esse álbum. Apesar de ser fã louca do "Bookends", acho que o "Sounds Of Silence" revela mais a essência da banda e tem músicas melhores.

Essa dupla é maravilhosa demais para eu tentar explicar, e eles são outros que me entendem muito bem.

Músicas de destaque: "I Am A Rock", "Leaves That Are Green"

4 comentários:

  1. Me deu uma super vontade de ouvir os que eu ainda não havia escutado, e ouvir de novo aqueles que já amo! Recomendações maravilhosas <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada! Corre para ouvir tudo! HAHAHA

      Excluir
  2. Eu adoro descobrir blogs com sugestões boas assim, porque sou péssima nisso

    <3

    ResponderExcluir
  3. HAHAHA obrigada! Sempre gosto de receber dicas de álbuns também

    ResponderExcluir